Estado de São Paulo Transparência ALESP

Dimensões do IPRS

Estado de São Paulo

2008-2014




A Fundação Seade, em parceria com a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, por meio do Instituto do Legislativo Paulista – ILP, apresenta a nona edição do Índice Paulista de Responsabilidade Social – IPRS. Trata-se de uma estratégica ferramenta para avaliação e planejamento da gestão pública.

Criado há 17 anos, o indicador nasceu com a incumbência, nada modesta, de mensurar o grau de desenvolvimento humano de todos os municípios paulistas. Assim sendo, era fundamental que se levasse em conta aspectos econômicos, mas não apenas: dimensões relativas à qualidade de vida das pessoas, vida social e envelhecimento também precisavam ser considerados, entre outros.

O IPRS é um indicador inspirado no Índice de Desenvolvimento Humano – IDH (utilizado desde 1993 pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em seu relatório anual) e exprime, sinteticamente, um conjunto de dimensões. Assim, consideram-se as dimensões riqueza, longevidade e escolaridade, de forma a caracterizar a posição de determinada unidade territorial (município, Região Administrativa, Estado) de acordo com sua situação em cada dimensão e também dentro de uma tipologia elaborada a partir da combinação dessas dimensões.

Em 2014, data de referência desta edição do IPRS, o Estado de São Paulo atingiu a marca de 47 pontos no indicador de riqueza, um avanço de um ponto em relação a 2012, o que reflete a relativa estabilidade da economia paulista no período.

Em longevidade, o Estado manteve os 70 pontos alcançados na edição anterior, expressando a manutenção dos níveis observados nos quatro componentes dessa dimensão.

Em escolaridade, o Estado atingiu a marca de 54 pontos em 2014, um incremento de dois pontos em relação a 2012. Do ponto de vista da distribuição dos municípios, segundo esse indicador, verificam-se resultados positivos, já que uma expressiva maioria das cidades (65,0%) registrou crescimento, enquanto 28,2% tiveram, em 2014, escores menores do que aqueles alcançados em 2012.

Enfim, as diversas dimensões, consideradas em seus recortes específicos, fornecem um conjunto valioso de subsídios para orientação das ações dos gestores, de forma que as escolhas de políticas públicas sejam mais bem entendidas e direcionadas. Esta é a principal razão de ser deste projeto e uma grande contribuição da Assembleia Legislativa e da Fundação Seade para os cidadãos do Estado de São Paulo.


Dalmo Nogueira Filho
Diretor Executivo da Fundação Seade